Imprimir
Visto: 2273

O HOMEM COSMICO EM GESTAÇÃO

Maha Chohan
KUT HUMI LAL SINGH

Não faltam, por certo, sinais precursores para anunciar a aparição da Nova Era, apesar do pressagio o mais seguro e também o mais doloroso, nesta intensa sede de gozo material que parece precipitar os seres num caos infernal e cheio de crueldade.

O desafio da humanidade que não quer morrer tem algo de grandioso e heróico ao mesmo tempo. Nos espíritos pusilânimes semeia o pânico; nos espíritos livres e que tem a clara visão do perigo, reafirma ainda mais a coragem. E por isso que a União de Serviço Universal, consciente de seu dever, sustenta e intensifica com ardor todas as boas soluções que lhes são propostas, para encontrar um remédio aos males atuais da humanidade. Uma grande mudança e necessária em toda a estrutura social; parece que uma formidável força impulsiona os seres a soltarem o que os aferrolhou até agora, o que lhes impediu de expandir-se (desenvover-se, florecer-se) plenamente. A Era do Homem Cósmico se faz sentir em todas as classes da sociedade. Os preconceitos, as limitações, as barreiras de toda sorte vacilam (cambaleiam) e é em vão que os partidários do velho sistema opõem toda sua energia para guardar o que eles crêem ser seu patrimônio. É preciso para os seres algo maior, mais prático, mais justo, e é nessa direção que devem amalgamar-se todos os esforços; os seres devem aprender a respeitar os Princípios Universais que dão a todos os mesmos direitos, porem, sem cometer o grave erro de esquecer os deveres correspondentes.

Todos os seres enfim são ligados indissoluvelmente, e é o que cada um deve esforçar-se por compreender, a fim de forjar uma homogeneidade mais concreta e mais harmoniosa.

Sente-se nitidamente que até agora o homem se esqueceu de cultivar a parte essencial de seu ser. Ele deu toda sua energia, todo seu saber para a edificação de um mundo fictício (artificial) e totalmente desprovido de seu supremo sustento, desse amor incondicional e incomensurável, sem o qual nada saberia subsistir.

Quando se lança um olhar ao passado, esta verdade nos aparece ainda mais claramente, pois projeta uma alvorada de luz sobre cada curva da evolução humana, e reconhecemos então que os verdadeiros valores repousam essencialmente neste espírito grandioso e universal que anima os filantropos, os gênios e os grandes guias da humanidade.

A cada uma de suas fases evolutivas a humanidade recobrou, assim, pois, um pouco de seu direito de Primogenitura deste ardor criador, e deu frutos dignos de sua pátria celeste em todos os domínios, tanto da ciência como da beleza, do altruísmo ou do heroísmo.

Esta senda reclama, por certo, um grande esforço, mas nada pode resistir em definitivo, a esse ímpeto da Alma Universal, pois é bem de seu próprio seio que brotam periodicamente centelhas (estes resplendores), estes faróis cósmicos.

A humanidade compreendeu pouco ou mal até hoje e é por isso que ameaça depenar-se sob o embate de sua cruel ignorância e de sua degradação moral.

Aqueles que têm em si a vontade, a forca de viver plenamente e sadiamente, pertencem fundar as bases, (batir los basamentos) de um mundo novo, mais cheio de sabedoria, de bondade, de dignidade e de justiça.

A juventude deve ter uma parte ampla neste imenso trabalho, pois ela tem o vigor, o entusiasmo, a extrema mobilidade de concepção tão necessária para ir adiante, e a idade madura trará também sua parte ampla de tolerância, de dedicação (entrega inegoísta) e de sabedoria. Este período de transição pode ser bastante longo, pois um tal renascimento não pode cumprir-se rapidamente, e seu resultado depende unicamente da compreensão e da boa vontade de cada um. Também se pode dizer com segurança que todo o esforço realizado é a meta de dirigir os seres para uma maestria mais completa de si próprio, uma amplitude de vista muitíssimo maior, um juízo mais sadio e mais caritativo é um passo adiante rumo ao advento dessa nova era. O ser atual tem seu mental demasiado cheio de automatismo, e de fórmulas todas feitas que ele impõe ameúde á lógica de sua própria consciência. Quase aniquilou inteiramente esta última e se deixou domesticar e pôr em tutela pelo que seu mental inculto escolheu amar ternamente e isso conduziu a sustentar e a aceitar uns estados de vida sem bondade, sem justiça, sem nobreza de espírito. O grande renascimento deve, assim, pois, encontrar sua principal fonte nas profundidades do ser, e é aí antes de tudo, onde deve realizar-se o grande recalcamento.

Não é acaso, o arquiteto maior que o plano em si? Então, convém devolver-lhe seu verdadeiro lugar, nesta ocasião, já que, se não, o nada breve encheria todo o Universo e nos pareceríamos o aprendiz bruxo, completamente desprovido de sabedoria. Estes genuínos valores do espírito devem tornar a tomar o lugar que lhes é devido, se quisermos que a sociedade goze de um perfeito equilíbrio, e seja dotada de uma vida feliz, isenta de vicio e de degradação moral. Assim, a plena confiança mutua reaparecerá e cada um abastecerá sua medida, medida tão necessária ao recalcamento e ao bem estar geral.

A ordem será assegurada de uma maneira eqüitativa e sem violência e a diferença de casta não existirá, salvo na nobreza do espírito. A injustiça sendo desterrada da sociedade, não haverá mais lugar para a vingança ou para o ódio, e assim se poderá dizer que o reino do Espírito se manifestou plenamente.

Buscar uma solução fora destes princípios fundamentais, seria loucura, pois seria mais fácil então mudar o curso dos arroios e dos rios caudalosos.

Terá a humanidade bastante bom-senso para compreendê-lo? É o que o porvir nos dirá, mas é preciso começar desde hoje mesmo a derramar estes ideais nobres em todo o universo, a fim de que as almas de boa vontade percebam a luz e se integrem mais plenamente nela.

A vida permanece imutável, harmoniosa e sublime para quem sabe dominar seus desejos e dirigir suas forcas e é ai somente que reside a sabedoria.

O homem cósmico deve surgir desse imenso maelstrom que varrerá tudo o que não saberia servir-lhe, e nada poderá deter seu vôo.

A tarefa é extremamente pesada e delicada, já que esta civilização material a todo transe, encheu os espíritos, os melhores acondicionados, de dúvidas, de temores e de confusão.

O homem tornou-se um inimigo para si próprio neste sentido de que permanece incrédulo e receoso diante de toda idéia nobre desinteressada, e isto porque sua alma perdeu todo frescor e todo perfume.

Sua educação há de ser remodelada inteiramente, e seria mais do que tempo que educadores esclarecidos tomem nas mãos esta obra esplendida de retemperar as almas, insuflando em todos os corações de nossos jovens, esta certeza e esta confiança no triunfo de tudo que é nobre e generoso.

Isto também devemos esperar de nossos grandes literatos, que fariam bem insistindo em judicioso discernimento.

Neste ramo, um grande trabalho se impõe, e este tipo de cinismo ultrajante que se esforça em desenvolver ao máximo as coisas malsãs ou monstruosas, deveria cessar. Há causas tão nobres que permanecem na sombra unicamente porque se prefere atirar como pasto toda sorte de relatos ou de escândalos odiosos por acaso, pois, que todos os seres PERDERAM totalmente todo apreço ao mérito ou todo sentido de justiça para divertir-se tanto assim no que constitui a degradação como na vergonha? !

No lar, igualmente, uma maior disciplina moral faria maravilha e permitiria a estas amadas pequenas almas guardarem mais tempo sua capacidade de maravilhar-se, sua confiança na vida. Ai ! Não se pode saber quantas almas ficam marcadas pelo selo deste sofrimento íntimo que conheceram demasiado cedo e sem estar preparadas para isso!

SIM, já é tempo de mudar este velho sistema de educação que encadeia os seres numas tradições nefastas e caducas, é imperativo, custe o que custar, deixar aos jovens seu entusiasmo para enfrentar a vida e, ao mesmo tempo, mostrando-lhes a senda da sabedoria, fazendo-os compreender que são eles mesmos os próprios artesãos de sua felicidade ou de sua derrota; ensinar-lhes, pelo menos, nas grandes linhas, o mecanismo que rege todo seu ser a fim de que se tornem mais conscientes de suas possibilidades, e, ao mesmo tempo, mais cuidadosos em desenvolver o que há de melhor em si mesmos.

Esta atitude ajudaria, parecem-me, muitos seres a descobrir e a realizar a vida em seu conjunto harmonioso e esplendido. Sim, é aí que radica todo o problema; a hora é grave, por certo, porém, tudo se pode quando a gente tem em si uma parcela de verdade e que a alma é viva e bem temperada.

A vida é infinita e nunca se detém; entretanto, convém que cada dia seja preenchido com esmero, se quisermos ver a alegria do êxito iluminar todas as almas.

Como poderíamos duvidar desse êxito, quando as bases eternas da vida radicam em toda coisa, mais eis aí ainda o importante é saber descobri-las e toma-las por guia ao longo de toda a vida. A natureza inteira, em sua suprema harmonia nos convida a intensificar nossos esforços e a prodigalizar nossos cuidados ás almas jovens que virão amanhá a reacalentar-se, elas também, nos puros e cálidos raios do sol eterno.

Saibamos acolher com alegria todo escorço consagrado á única meta suprema e esforcemo-nos sempre em religar o coração ao pensamento a fim de torná-lo vivo.

Muito tempo ainda se poderia falar sobre todas essas coisas, pois encontraram um eco no recôndito de todos os seres, porém, o que é mais paradoxal e desalentador é que demasiado poucos entre eles têm a coragem de começar a aplicá-las em sua própria vida.

Ë assim, pois, tão difícil fazer o que nos dita a consciência, em exigir, sempre esperar que seu irmão dê o primeiro passo!? Não temos cada um nossa tarefa que preencher aqui e a alegria que a gente dá não é acaso sempre a mais pura e mais sagrada? Cultivemo-las com amor, estas alegrias sagradas, a fim de que iluminem nossas almas e iluminem todas as que as rodeiam, haveremos cumprido, assim, com nossa parte de trabalho.

Recorde-se que o Espírito é Universal e perfeito, e que é o corpo somente, o veículo de expressão, o que é imperfeito e impuro.

Cabe a nós, assim, pois, converter o corpo (mental e físico) em veículo expressivo de forcas e condições ideais, bem escolhidas e das quais temos necessidade intimamente.

Não retrocedam diante de nada. Sejam fortes no que lhes concerne a vocês. Se não são exigentes e fortes consigo mesmos, não conseguirão alcançar grandes vitórias morais sobre vocês. Sobretudo, saibam que não podem ganhar mais vitórias sobre o mundo exterior do que as que ganham sobre a sua própria pessoa. Mais se dominem, melhor dominarão as circunstanciais e as condições de seu ambiente circundante.

Ser forte - eis aí a marca das Almas que partem para a conquista dos grandes Mistérios da Vida e que querem tornar-se uns exemplos de grandeza e de potencia.

Não dêem ouvidos aos cantos de sereias dos charlatães de ocultismo ou de salteadores do misticismo que lhes oferecem umas maravilhas de metafísica e de felicidade no mais além, enquanto os exploram aqui. Cuidado com os sacerdotes que lhes falam de seu Deus de Amor e de Sabedoria, mas que, entretanto, são uns professores de ódios e de paixões monstruosas. Antes de seguir além como paradigma de seu ideal, saibam se é capaz de odiar, de orgulho ou de danificar mesmo que fosse um pedacinho de erva ou ainda de maldizer ou imprecar. A essas almas indignas, recusem sua confiança e mais ainda sua amizade, porquanto não são mais do que vampiros que os exploram por sua credulidade ou por sua ignorância.

Esforcem-se para ser o irmão ou a irmã de todos os seres vivos, e não aceitem nada, nem sequer um pensamento ou um gesto que não seja harmonioso ou que possa danificar o seu próximo. Deixem, antes de tudo, de ser maus se vocês querem ser bons e rechacem sua ignorância se se querem tornar sábios.

Assim, sempre nobres em seus pensamentos e ações, chegarão melhor a compreender a Mensagem do Coração, e a servir-se das Potenciais do Espírito. Nossa tarefa limita-se a ajudálos, a protegê-los e a bendizê-los, enquanto os instruímos; mas sua tarefa, a de vocês é muitíssimo maior, porquanto consistem em se tornarem dignos das Verdades Universais e das grandes realizações da Vida.

Sejam sempre verdadeiras almas Irmãs, unidas numa só Grande Família Universal, e tanto quanto vocês meditarem juntos, tanto mais merecerão a Benção dos Espíritos Superiores na Eternidade.

Mensagem dirigida ao Congresso, em Paris, 1949

Original Frances