O auto aperfeiçoamento

A essência da ciência espiritual Leer Más

 IMPERATIVOS CATEGÓRICOS DA MENTE

 

Do livro: “A ESSÊNCIA DA CIÊNCIA ESPIRITUAL”. Anatomia e Etiologia das condições do mundo moderno. Tradução do Inglês, "THE ESSENCE OF SPIRITUAL SCIENCE", 1946.

 

Por KUT HUMI LAL SINGH – Kwang Hsih

Naturalmente, não devemos crer que o Karma seja uma predeterminação fatal. Ele é de fato, definidamente, um mecanismo indeterminado, e isto se demonstra melhor pelo fato de que o processo de "Auto provocação" é de uma implicação e de uma aplicação dual. O homem pode fazer uso dele de forma consciente tanto como mecanicamente, e proceder a encontrar sua própria superação ou melhoramento.

O Karma é a sequência natural das coisas, ou o denominador comum da equação da vida, mas não é uma lei fatal. Isto se evidencia melhor pelo fato de que a "auto provocação" nos permite promover nossas próprias transmutações ou sublimações e também provocar a conquista de nossas decisões íntimas para o melhor. Deste modo, não necessitamos crer que o Karma busca a "expiação" ou o "auto sacrifício". O Karma não impõe "provas". O Karma é só a lei de retribuição e equilíbrio das condições da vida; converte as causas em efeitos, ou vice-versa, de acordo com nossas necessidades naturais.

Nós o temos em nossos melhores desígnios mentais e nas faculdades de selecionar para buscar o transcendente das condições atuais, para promover o melhor de que somos capazes de projetar, sonhar ou anelar.

Infortunadamente, os seres humanos preferem render-se às fantasias complexas e a tendências malsãs como se não fosse suficiente contentar-se com seus erros correntes e vulgares, tais como os que foram mencionados mais acima, que dão lugar a seus infortúnios, enfermidades e infelicidade.

Entretanto, junto aos "imperativos mentais", que surgem do recôndito da Mente, provocados naturalmente pelas ações e propósitos antinaturais das pessoas com mentes incontroladas e pouco educadas - que constituem a maior causa do Karma terrenal - temos também os Imponderáveis Cósmicos ou consequências transcendentais.

Os Imponderáveis Cósmicos surgem por causa de nossa própria carência de harmonia devida aos Princípios Universais e ao sentido da Natureza da Vida.

Quando fracassamos em viver corretamente, como o propõe Dhamma, provocamos em nós condições contrárias aos Princípios Universais e aos Valores Espirituais e isto dá lugar a certas reações. Estas reações são as que chamamos aqui "Imponderáveis Cósmicos", ou as mais transcendentais consequências Kármicas que surgem em seguida, e, às vezes, a pesar dos mais comuns e imediatos resultados Kármicos de caráter puramente biopsicosomático.

As pessoas, às vezes, se perguntam porque são sujeitas a toda sorte de misérias, acidentes e penalidades, ou fracassam em seus melhores anelos. Naturalmente, que elas não contam com os imponderáveis. Entretanto, nada do que nos sucede é realmente estranho a nós, nem ainda os acidentes, os incidentes telúricos que nos afetam, ou nossas mais inesperadas frustrações e infortúnios. De fato, nós participamos do grande mecanismo da Vida Universal, como parte integrante do Cosmos, e isto nos mantém animados, participantes orgânicos dos desígnios Cósmicos. Por isto, temos que sofrer por nossa conduta negativa em relação com todo o Universo e também as consequências de nossos contatos errôneos com a presença Cósmica. Por isto, somos influídos tragicamente por nossos nocivos e destrutivos modos de viver, com as consequências prejudiciais imediatas, que são óbvias, tanto como em formas sutis de significação espiritual, que são tão difíceis de entender pelo comum das pessoas. Entretanto, estes são os imponderáveis indiscutíveis ainda quando sejam atribuídos à "Providência" ou a "Deus" pelas pessoas ignorantes.

Nós não o podemos entender, mas eles se estimulam a si mesmos, para contatos mais íntimos com as forças interiores da vida em a natureza. Nossos erros comuns de cada dia que vivemos, podem ser que não se nos apareçam importantes, mas, verdadeiramente, o são, posto que produzem, de imediato, em nós, ademais de efeitos transcendentes na existência, também consequências de significado inquestionável.

Os imponderáveis da vida são, geralmente, desconcertantes, porque não se compreendem. Entretanto, nada do que ocorre em toda a vida é misterioso, fora de nossa própria ignorância. Os imponderáveis nos afetam, porque nos dispomos ou predispomos nós mesmos de uma maneira correspondente através de nossos atos, pensamentos e atitudes. No plano dos imponderáveis, devemos considerar todos os acidentes, todos os grandes fracassos, nossas penas de amor, todos os sucessos de caráter transcendental e, em geral, os eventos que nos rodeiam e que afetam profundamente nossa vida. Isto, naturalmente, são somente consequências transcendentais das condições Kármicas leves, antes referidas. Mas, igualmente, trágicas e dolorosas.

Contudo, os seres humanos não parecem ter bastante com estas complicações e eles, raras vezes - se é que alguma vez – fazem algo contra elas, ou para provocar melhores condições. Suportam as tragédias que lhes sobrevêm com desgosto e rudeza, lançando a culpa delas, não sobre si mesmos, como deveriam, senão sobre seu próprio Deus. Mas isto deve ser difundido entre as pessoas, pois criam, tontamente, imponderáveis sintéticos para precaver-se de cair em qualquer classe de drogas edênicas, como se a era pastoril fosse detestável, e como se as difusões da moral deveriam ser evitadas.

Algum dia serão dadas as respostas claras, certas, definitivas a alguns absurdos aparentes e desígnios anormais dos seres humanos, e então, naturalmente, somente então, os imponderáveis correspondentes se desvanecerão neste mundo. Na verdade, por que as pessoas preferem viver em cidades artificiais sem eleger as bondades da vida unida à Natureza? Por que as pessoas se apegam ao sistema imperfeito de exploração mútua, como é a sociedade moderna e sua economia? Por que a gente estúpida continua medrando com o sistema monetário atual, que é o pior sistema de exploração monetária corrente? Como pode Deus manter-se como feitor, dono e governador da vida sem limitações e ainda há tanta imperfeição e miséria por toda a parte, e por que tantos Ministros e sacerdotes que O representam, sem evitar de modo algum o incremento dos males terrenais, das guerras, vícios e ignorância? Por que o Estado está pronto para obrigar aos indivíduos para defendê-lo e apoiá-lo em caso de guerra, sem que lhes dê gratuitamente a saúde, a cultura e a felicidade que não puderam encontrar?

Por que não são proibidos o terrível veneno do fumo, o nevoeiro das maquinárias e fábricas e o gás de monóxido de carbono dos motores, que afetam a saúde tanto como o equilíbrio mental e as disposições morais do homem? Por que não se condenam, pelos higienistas, dietistas e predicadores, os produtos enlatados e alimentos processados artificialmente, tolerados de qualquer maneira, que constituem efeitos venenosos em nosso organismo, com os ácidos, as bactérias e todos os produtos que se decompõem, como a carne, ovos e produtos animais?

Por que se incorre na indulgência sexual, sem que seja por outras razões que a procriação e a sublimação biogenética? Por que não se controla sabiamente a procriação por meio de um código de saúde biopsicológico? Por que são inevitáveis as guerras neste estado atual de desenvolvimento? Por que é tão ponderada a liberdade e, não obstante, tão negada aos povos mais fracos pelos mais resolutos, mais audazes, mais prepotentes e moralmente insolventes? Por que os homens lutam e assassinam por causa de seus ideais, e, entretanto, fracassam ao viver de acordo com eles? Por que os homens devem criar Deuses à sua própria semelhança, pretendendo ser crentes fiéis do temor de Deus, e, entretanto, agem de forma enganosa, turbulenta e desconcertados, tais como demônios em liberdade? Por que as pessoas pretendem amar as aves e as aprisionam em gaiolas por toda a vida e, quando amam as flores, cortam-nas; ou será que o homem simplesmente quer danificar e destruir o que ama ou impor uma servidão de domesticação a quem queira e a qualquer a quem ame, simplesmente para satisfazer uma inclinação grosseira, por egoísmo, avidez e anelo de posse?

Por que se permite aos facultativos interferir com a natureza humana, com elementos materiais, quando eles estão inabilitados para curar com as suas mentes? Por que todas as religiões ou seus prelados e seguidores pretendem servir a um mesmo Deus e nutrir-se de seus propósitos morais e, entretanto, não participam de uma Religião Universal que poderia unir a toda a Humanidade num Reino Espiritual comum, ou Fraternidade de Deus? Por que a prostituição, o crime, o nacionalismo, a fraude, o ódio, a cobiça, a avidez, tão comum às pessoas que se jactam de sua superioridade "racial" e hegemonia "religiosa" sobre as outras, que pensam de forma diferente, enquanto que estes "colonizáveis", assim chamados pagãos e seguidores do demônio, manifestam um incrível pouco interesse pelo ilegal e de baixa mentalidade, ao lado das condições de vício, abjeções e mortalidade estéril? Por que se aborrece tanto ao sexo e se refere a ele de forma tão vergonhosa, enquanto que os que o condenam e mais o denunciam são os que mais morbidamente sucumbem a seus encantos e magia? Por que Deus tem Ministros que são tão ignorantes e "morones",,,,,,, como o Ministro Grey, e por que Deus-Todo-poderoso não toma seus assuntos sobre si Mesmo? Por que os seres humanos caem correntemente na trampa de seus próprios egoísmos, tratando de "possuir" o que amam, desejam ou querem, somente para chegarem a ser as vítimas e os " possuídos"?